Author: danibarg

Estamos vivendo ou só competindo?

Eu li 21 livros em 2020. Para algumas pessoas, esse número pode parecer altíssimo. Para outras, apenas normal. Há ainda um terceiro grupo que achará essa informação simplesmente desprezível. Tudo vai depender do repertório de quem, por um acaso, resolver fazer as contas de quantos livros leu esse ano, e, então, comparar a própria marca com a minha. E se você está fazendo isso nesse momento, já se perguntou se esse hábito da comparação, como se a vida fosse uma grande e infinita competição, te faz bem?  Já tem um tempo que descobri que comparar-se com os outros é uma completa roubada. Lendo algumas coisas sobre esse tema – e fazendo muita terapia – aprendi que o mais indicado para não nos frustramos seria nos compararmos apenas com nós mesmos. Com o seu eu do passado, seja a sua versão de dez anos atrás, seja sua versão de ontem. Afinal, quem melhor do que eu mesma para dizer se 21 livros em um ano é algo bom, mediano ou ruim?  Ninguém, além de mim mesma, …

Precisa ser magra pra dançar balé?

Carol fazia ginástica olímpica, jazz e natação. Mas quando via bailarinas clássicas, o olho brilhava! Ela achava lindo, se identificava. Era como se a dança já estivesse dentro dela. Mas, do alto dos seus 11 aninhos, sentia que estava “velha”. Porque é preciso começar novinha, né? E é preciso ser magra, ou não vai pra frente na dança. Esse tipo de crença impede muita mulher de dançar, ou de praticar qualquer tipo de arte que dependa do corpo.  Mas com a Carol foi diferente. Demorou dez anos, mas ela finalmente se deparou com uma matéria sobre balé adulto, estampada pela atriz Alinne Moraes. “Eu falei: ‘nossa, isso existe!’. Se existia o termo ‘balé adulto’, se tinha gente fazendo, tinha escola que aceitava adulto. Foi quando comecei, com 21 anos.” O perfil da Carol Lancelloti (@meiaponta) me chamou atenção desde que comecei a mergulhar mais profundamente nos estudos sobre padrão de beleza e pressão estética. Afinal, dentro da rigidez do balé clássico, ela enfrentou dois paradigmas –  o do corpo e o da idade. Coincidentemente (ou …

E o filho, vem quando?

Eu tenho 39 anos e ainda não decidi se quero ter filhos. E essa dúvida existe há tanto tempo na minha cabeça que hoje posso dizer que me sinto até confortável com ela: não me culpo mais. Também já não me importo mais com a perguntinha do título. Já me irritei muito, mas aprendi que a mulher nunca tem paz, com filho ou sem filho. Se tá solteira: “quando é que casa”?. Se casou: “e o filho, vem quando?”. Se teve filho: “não vai dar um irmãozinho?”. Se engordou: “Precisa perder uns quilinhos, hein?”. Se emagreceu: “Nossa, precisa se cuidar, tá muito magrinha”. Olha, cansa. Mas por muito tempo acreditei que eu tinha algum problema simplesmente pelo fato de ter essa dúvida e não conseguir me decidir por algo que parece tão óbvio e natural para toda a espécie feminina. Pelo menos é assim que nos contam. Filho é uma dádiva, não é? Como é que eu posso ter dúvida se quero essa benção, esse presente de Deus, esse “amor que só quem é mãe …

Veganismo é coisa de rico?

Quando eu morava no Brasil, eu morria de vontade de tomar leite de amêndoa, desses industrializados que vêm em embalagens lindas. Eu lembro que, na época, quase caí de costas quando descobri que uma caixa custava em torno de 25 reais. Nunca comprei. Na verdade eu até poderia comprar, mas me recusava. Eu sempre frequentei feira, sacolão, horta, empório, mercadões, etc. Eu sempre soube o valor das coisas. Quando cheguei aqui o susto foi bom: no mercado onde costumo fazer minhas compras, o leite de amêndoa custa U$ 1.99. Tudo bem que o dólar a essa altura tá o que? Oitenta reais? Mas ainda assim, imagine que para uma pessoa que mora aqui, e ganha em dólar, gastar dois doll numa caixinha de leite de amêndoa não vai deixar ninguém mais pobre. Acho essa diferença um pouco revoltante. E uso o exemplo do leite vegetal porque ele é apenas um dos incontáveis produtos que apareceram nas prateleiras nos últimos anos como alternativas para quem quer excluir alimentos de origem animal do cardápio.  Não demorou para …

Por que biscoitas?

Em plena pandemia, tem gente curtindo a vida adoidado e ainda pedindo biscoito na internet com fotos incrivelmente felizes, no meio da galera, de festas ou de lugares maravilhosos, o que com frequência nos faz pensar: descobriram a vacina e não nos avisaram? Não me eximo da culpa, também posto uma coisinha ou outra eventualmente. Afinal, alegria completa é alegria compartilhada, não é mesmo? Quando tem like (a.k.a, biscoito) então, vixe, aí é dopamina lá em cima. Com tanto estímulo, fica difícil tirar o olho do celular e enxergar adiante. Mas será que, em 2020, um ano em que as pessoas estão desesperançosas e cansadas mentalmente, o “cada um por si” virou o novo normal? Ainda há espaço para a empatia nas nossas vidas, com o mundo (literalmente) pegando fogo? Estou falando de biscoito e de empatia no mesmo texto porque acredito que uma coisa tem a ver com a outra: quando estamos determinados em conseguir nosso biscoitinho, estamos focados em nós, e não no outro. Frequentemente eu mesma me pergunto: como é que a …

O dilema das redes: entenda o algoritmo ou fuja para as montanhas

Eu já pensei em sair do Facebook várias vezes. Mas esses dias aconteceu um fenômeno curioso, logo depois do lançamento do documentário O dilema das redes, disponível na Netflix. Como esse é um tema que me interessa, eu tinha colocado um lembrete para assistir assim que fosse lançado. E foi o que eu fiz: assisti na mesma noite. A princípio, o documentário não me despertou muita coisa. Acho que coloquei expectativa demais.  Eu esperava mais dados científicos, esperava ser surpreendida com novas pesquisas de comportamento, esperava alguma novidade e muito mais profundidade. Pensei: vou assistir mais uma vez para ver se mudo de ideia.  Só que nos dias seguintes começaram a pipocar nas minhas redes sociais as reações sobre o documentário. No meu Twitter e no meu Instagram, as opiniões eram mais ou menos assim: “Muito básico”; “Esperei tanto para ver o óbvio”; “Estamos em 2020 e as pessoas ainda precisam de um documentário que explique que estamos sendo controlados por algoritmos”.  Concordei.  Mas foi numa das minhas raras entradinhas no Facebook que notei justamente o …

Documentário aborda beleza e representatividade da mulher na mídia

Outro dia, li uma entrevista com uma atriz que dizia que não via quase nada de bom em envelhecer. Listou umas duas ou três coisas ligadas ao amadurecimento emocional como fatores positivos; em contrapartida, a lista de angústias era gigantesca. O pescoço anda muito enrugado, a barriga já não é mais a mesma, as linhas de expressão a obrigam aplicar botox o tempo todo…é, não deve ser fácil viver de imagem num mundo em que valoriza tanto a aparência da mulher. Para nós, é implicitamente negado o direito de envelhecer.  Enquanto há material suficiente na mídia sobre como nos comportar, o que vestir, o que comer (e principalmente o que NÃO comer) e o que passar na cara para congelar o tempo, pouco se fala sobre a origem dessa pressão estética. O documentário Miss Representation é de 2011, mas, mesmo quase dez anos depois, ainda é super atual (infelizmente). Ele aborda a forma como a mídia e cultura contribuem para colocar a mulher nesse papel de obediência e submissão. Não pode envelhecer, não pode engordar, …

Canal do Youtube derruba mitos sobre dietas e a desinformação na área da ciência

Em tempos de harmonização facial, botox, bichectomia e muito preenchimento labial, é um verdadeiro deleite encontrar mulheres que usam seu espaço na rede para exaltar o intelecto, a reflexão, a investigação, o compartilhamento do saber…a ciência. ❤ Melhor ainda quando essas mulheres batalham para fazer as pessoas “desverem” as baboseiras que são divulgadas sobre soluções milagrosas para a saúde, o emagrecimento, ou outros mitos sobre ciência em geral que ganham força nos grupinhos do WhatsApp e acabam virando verdade absoluta para muita gente. O canal Nunca vi 1 Cientista vem fazendo um bom trabalho nesse sentido, explicando com linguagem simples, memes e muito bom humor, que a ciência não é um bicho de sete cabeças.  Eu conversei com as fundadoras do canal. A Ana Bonassa é bióloga, mestra e doutora em ciências, e atualmente faz pós-doutorado em metabolismo energético. A Laura de Freitas é farmacêutica-bioquímica, mestra e doutora em biociências e biotecnologia pela Unesp.  A ideia começou em 2018, no FameLab Brasil, uma competição internacional de comunicação científica. Foi lá que as pessoas que hoje …

Salada de macarrao com molho de manjericão

Salada de macarrão com molho de manjericão, limão e parmesão: simples, leve e gostosa

Eu adoro molho pesto, mas nem sempre tenho todos os ingredientes em casa. Além disso, acho um molho um pouco pesado, especialmente pra comer à noite. Esses dias eu tinha um monte de manjericão em casa, então pensei em como poderia usá-lo com o que eu tinha na geladeira no momento.  Acabou saindo uma jantinha leve e muito gostosa! E além disso, dá uma ótima marmita, que pode ser consumida em qualquer lugar ou hora do dia: salada de macarrão não precisa esquentar e é uma delícia para dias mais quentes! E pra variar vou ter que repetir meu mantra: é prática, rápida, e você não vai gastar nem meia hora pra botar essa belezura na sua mesa. Bora?   Salada de macarrão com molho de manjericão, limão e parmesão IngredientesMolho: 1/2 limão 1 dente de alhoUm maço de manjericãoAzeite a gosto do freguês1/2 xícara de águaSal a gosto do freguês Macarrão1 pacote de macarrão parafusoAzeitona preta picadaParmesão ralado Modo de preparoEnquanto cozinha o macarrão, faça o molho: coloque todos os ingredientes no processador e bata! Quando o …

Piazza San Pietro Roma

Você quer ser linda para você…ou para os outros?

* English version below  A gente tem umas bobeiras na adolescência, né? A imagem é algo muito importante nessa fase da vida e parecer belo aos olhos dos outros é um privilégio de poucas. Sim, porque a maioria vai ter um “defeito” pra virar alvo de piada. Tem a gorda, a magrela, a que tem muita espinha, a que tem muito peito (ou a que não tem nenhum), a que tem o cabelo “assim” ou “assado”….enfim, a lista é infinita.Tenho lido muito a respeito de insatisfação corporal e uso os adjetivos acima no feminino porque as mulheres, historicamente, sempre foram mais cobradas que os homens para se encaixar nesse tal padrão de beleza. Quando eu tinha meus 11, 12 anos, não gostava muito do meu nariz. Na verdade, eu até gostava, mas aí me mudei de prédio, fiz uma turminha nova e, no julgamento deles, meu nariz era grande demais.  Acreditei nisso por um tempo. Mas, felizmente, venho de uma família amorosa que sempre me mostrou que eu era suficientemente linda aos olhos deles. E que …