All posts filed under: inspirações

documentario-sandy-e-junior-a-historia

Eu acho que pirei

A quarentena fez minha saudade do Brasil quadruplicar e um dos “presentes” que eu me dei foi uma assinatura do Globoplay. Eu evitava assinar por medo de me apegar às novelas e passar muito tempo ouvindo o idioma português (aconteceu).  Amo minha língua, mas me forço a treinar o inglês na maior parte do meu tempo, para que eu fique cada vez melhor. Coisa de gente nerdinha e perfeccionista.  Um belo dia, caí no documentário que conta a história da dupla Sandy & Júnior. Nunca fui fã assumida, mas gosto muito de saber a história das pessoas e esta série é praticamente uma biografia da trajetória profissional dos dois. Mal pisquei, terminei. Nem vi o tempo passar. Fiquei fascinada com o profissionalismo daquelas crianças, com a seriedade, com a lucidez de não se comportarem em nenhum momento como dois deslumbrados escrotos – como tanta gente com bem menos fama acaba se transformando. Bom, independente do seu gosto musical, é preciso admitir: o sucesso destes dois não foi uma alucinação coletiva; foi algo bem real. Turu …

Escritora feminista Gloria Steinem faz 87 anos

Viva Gloria Steinem! Saiba mais sobre este grande ícone

Eu não conhecia Gloria Steinem até vir morar nos Estados Unidos. Não sei dizer exatamente quando foi a primeira vez que ouvi falar dela, mas assim que comecei a estudar sua trajetória, senti que tinha encontrado uma verdadeira musa inspiradora.  Confesso que fiquei me perguntando:  “onde é que eu estava que não conhecia esse ÍCONE?”. Tratei logo de correr atrás do tempo perdido e me inteirar sobre o que essa jornalista, escritora, ativista política e organizadora feminista fez e continua fazendo em sua constante busca pela igualdade e pelos direitos das mulheres.  É um pouco difícil escrever sobre alguém que a gente admira tanto. Mas hoje ela comemora 87 anos e eu tive vontade de reunir alguns fatos, para que, dessa forma, outras mulheres também se sintam inspiradas por ela. ♡ Seria impossível em um só texto falar sobre todos os seus feitos, então escolhi alguns dos aspectos da sua biografia que eu considero mais fascinantes.  Raízes  Gloria teve uma infância atípica. Sua mãe também foi jornalista, mas desistiu da profissão. Tinha um sério problema …

Beauty Sick Renee Engeln

Beauty Sick: livro mostra como “doença da beleza” afeta mulheres

Renee Engeln estava dando aula para uma classe cheia de meninas quando notou que elas andavam excessivamente preocupadas com a aparência – o peso, a pele, o cabelo, a roupa, a pose certa na hora de tirar foto. Ela teve um insight e foi falar com a sua orientadora. Queria estudar mais de perto o que chamou de “doença da beleza”. Ela queria explorar o porquê dessas meninas estarem tão ocupadas com a própria imagem.  E foi assim que a professora e Ph.D em Psicologia mergulhou nesse tema e, há mais de 15 anos, lidera o Body & Media Lab, na Northwestern University. É neste laboratório que, junto a um grupo de pesquisadores e psicólogos, ela estuda os fatores que impactam a imagem corporal das mulheres.  Os estudos e aprendizados que ela coletou por lá ao longo destes anos viraram um livro, Beauty Sick, publicado em 2017.  A ciência por trás da beleza Escolhi trazer a referência da Renee Engeln como dica de leitura hoje porque, na semana passada, a Naomi Wolf, autora de O …

Framing Britney Spears

Ser perfeita cansa: Britney Spears que o diga

Se você estava vivo e com o mínimo acesso à Internet entre 2007 e 2008, não deve ter passado batido por algumas das imagens mais famosas de Britney Spears. Primeiro, raspando a própria cabeça numa barbearia; algum tempo depois, atacando o carro de um paparazzi com um guarda-chuva verde.  As duas fotos são icônicas porque marcaram a virada de chave de uma carreira muito bem-sucedida. Foi ali que a cantora, até então idolatrada como a “princesinha do pop”, passou a ser massacrada publicamente e a perder o controle da própria vida.  Essa trajetória rumo ao estrelato até o colapso está registrada em um recente documentário do New York Times, “Framing Britney Spears”, que busca desvendar o mistério por trás da custódia da cantora pelo pai, Jamie Spears. Há mais de dez anos, é ele quem controla não só as finanças, mas basicamente todas as decisões da filha.  O intrigante é que durante todo esse tempo ela trabalhou e fez muito, mas muito dinheiro. Ou seja: é considerada sã para performar em turnês mundiais, mas não …

O Mito da Beleza: uma carta ao futuro, escrita há 30 anos

Acho que não tenho nem roupa para escrever sobre o livro O Mito da Beleza, esse clássico escrito por Naomi Wolf em 1991, ou seja, há exatos 30 anos. Eu já tinha ouvido falar muito sobre ele, mas só fui ler de cabo a rabo em 2019, quando foi lançada uma nova edição pelo selo Rosa dos Tempos, da editora Record.  Estava de férias no Brasil, na casa da minha mãe, e andava com ele pra tudo quanto é canto. Enchi suas páginas de marcações. Volta e meia, tiro ele da estante pra ler alguma frase, aleatoriamente, e confirmo: esse texto está mais atual do que nunca.  Clássicos não se tornam clássicos à toa. Além de amplo embasamento, é preciso muita sensibilidade, timing e até uma certa dose de intuição para captar incômodos universais e traduzi-los em palavras. Vale lembrar que Naomi escreveu o livro quando tinha apenas 26 anos. (vráaaa!) 90’s vibes Na década de 90, quando O Mito da Beleza foi lançado, o ideal “dona-de-casa recatada e do lar” já havia ficado pra …

Precisamos normalizar o final feliz sem príncipe

Nada melhor do que uma série gostosinha para amenizar o coração do povo sofrido que sobreviveu a 2020, não é mesmo? Carente, melancólica e com saudades da família, não pensei duas vezes em dar o play na série  “Namorado de Natal”, da Netflix, e simplesmente maratonei. Essa é a típica série que nos faz esquecer do mundo lá fora.  Toda a estética é agradável e traz um “quentinho” para o coração: a neve, os dramas familiares de fácil identificação, amigos ponta-firme e uma protagonista encantadora, daquelas que dá vontade de ser amiga. Os personagens são carismáticos, bem escritos. Em pouco tempo, eu estava apegada a eles. Nem vi as horas passarem. A série talvez tenha cumprido seu objetivo principal: me distraiu.  Spoiler alert Devo adiantar que, a partir de agora, trago um spoiler gigantesco, porque embora eu tenha adorado a série, esperava mais do desfecho da personagem principal, Johanne, uma enfermeira de 30 anos que sofre pressão familiar para arrumar um namorado. Até aí, nada de novo. Inúmeras produções giram em torno do “problema” de …

A gordura é uma questão feminista

“Você emagreceu”?, perguntou o porteiro do meu prédio quando nos encontramos no elevador. Incrível como apenas duas palavrinhas são capazes de acender um sorriso no meu rosto e mudar imediatamente o meu humor. Trocamos mais duas ou três frases, nos despedimos, e subi, bem contente. Mas refletindo. É, eu perdi alguns quilinhos. Mas por que raios ainda fico tão feliz em ouvir que estou magra? Mesmo sendo uma discípula de Naomi Wolf; mesmo depois de ter corrido com os lobos… (risos). Depois de ter devorado tanto conteúdo a respeito dessa nossa “devoção” cega ao corpo. Por quê? Uau, magra! Linda! Quando eu trabalhava em redação, questões sobre dietas da moda e privações alimentares eram obrigatórias em entrevistas com as famosas. Fiz incontáveis matérias desse tipo. Entre elas, diversas pautas com Adriane Galisteu.  Lembro que ela sempre falava do quanto gostava de ouvir que estava magra. “Todo mundo fala que é gostoso sair na rua e ouvir as pessoas dizerem que você está linda, e eu falo, vocês não sabem o prazer que dá ouvir ‘como …

E o filho, vem quando?

Eu tenho 39 anos e ainda não decidi se quero ter filhos. E essa dúvida existe há tanto tempo na minha cabeça que hoje posso dizer que me sinto até confortável com ela: não me culpo mais. Também já não me importo mais com a perguntinha do título. Já me irritei muito, mas aprendi que a mulher nunca tem paz, com filho ou sem filho. Se tá solteira: “quando é que casa”?. Se casou: “e o filho, vem quando?”. Se teve filho: “não vai dar um irmãozinho?”. Se engordou: “Precisa perder uns quilinhos, hein?”. Se emagreceu: “Nossa, precisa se cuidar, tá muito magrinha”. Olha, cansa. Mas por muito tempo acreditei que eu tinha algum problema simplesmente pelo fato de ter essa dúvida e não conseguir me decidir por algo que parece tão óbvio e natural para toda a espécie feminina. Pelo menos é assim que nos contam. Filho é uma dádiva, não é? Como é que eu posso ter dúvida se quero essa benção, esse presente de Deus, esse “amor que só quem é mãe …

Veganismo é coisa de rico?

Quando eu morava no Brasil, eu morria de vontade de tomar leite de amêndoa, desses industrializados que vêm em embalagens lindas. Eu lembro que, na época, quase caí de costas quando descobri que uma caixa custava em torno de 25 reais. Nunca comprei. Na verdade eu até poderia comprar, mas me recusava. Eu sempre frequentei feira, sacolão, horta, empório, mercadões, etc. Eu sempre soube o valor das coisas. Quando cheguei aqui o susto foi bom: no mercado onde costumo fazer minhas compras, o leite de amêndoa custa U$ 1.99. Tudo bem que o dólar a essa altura tá o que? Oitenta reais? Mas ainda assim, imagine que para uma pessoa que mora aqui, e ganha em dólar, gastar dois doll numa caixinha de leite de amêndoa não vai deixar ninguém mais pobre. Acho essa diferença um pouco revoltante. E uso o exemplo do leite vegetal porque ele é apenas um dos incontáveis produtos que apareceram nas prateleiras nos últimos anos como alternativas para quem quer excluir alimentos de origem animal do cardápio.  Não demorou para …

O dilema das redes: entenda o algoritmo ou fuja para as montanhas

Eu já pensei em sair do Facebook várias vezes. Mas esses dias aconteceu um fenômeno curioso, logo depois do lançamento do documentário O dilema das redes, disponível na Netflix. Como esse é um tema que me interessa, eu tinha colocado um lembrete para assistir assim que fosse lançado. E foi o que eu fiz: assisti na mesma noite. A princípio, o documentário não me despertou muita coisa. Acho que coloquei expectativa demais.  Eu esperava mais dados científicos, esperava ser surpreendida com novas pesquisas de comportamento, esperava alguma novidade e muito mais profundidade. Pensei: vou assistir mais uma vez para ver se mudo de ideia.  Só que nos dias seguintes começaram a pipocar nas minhas redes sociais as reações sobre o documentário. No meu Twitter e no meu Instagram, as opiniões eram mais ou menos assim: “Muito básico”; “Esperei tanto para ver o óbvio”; “Estamos em 2020 e as pessoas ainda precisam de um documentário que explique que estamos sendo controlados por algoritmos”.  Concordei.  Mas foi numa das minhas raras entradinhas no Facebook que notei justamente o …